Posts em Destaque

Posts mais selecionados estão esperando por você . Veja isso

O que Paulo como líder nos ensina

O que Paulo como líder nos ensina





1.      Ter consideração com seus companheiros;
Colossenses 4:9  Em sua companhia, vos envio Onésimo, o fiel e amado irmão, que é do vosso meio. Eles vos farão saber tudo o que por aqui ocorre.  

2.      Ter coragem frente aos revezes;
Atos 20:22  “E, agora, constrangido em meu espírito, vou para Jerusalém, não sabendo o que ali me acontecerá”
Atos 20:23  “senão que o Espírito Santo, de cidade em cidade, me assegura que me esperam cadeias e tribulações”.

3.      Ter fervente amor à Igreja;
latas 4:19  “meus filhos, por quem, de novo, sofro as dores de parto, até ser Cristo formado em vós”;
Filipenses 4:1  “Portanto, meus irmãos, amados e mui saudosos, minha alegria e coroa, sim, amados, permanecei, deste modo, firmes no Senhor”.

4.      Ter fidelidade ao apostolado
Atos 20:24  “Porém em nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contanto que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus para testemunhar o evangelho da graça de Deus”.

5.      Ter determinação para conquistar
Filipenses 3:13  “Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão,”
Filipenses 4:13 “ tudo posso naquele que me fortalece”.

6.      Ter Humildade

Romanos 12:16  “Tende o mesmo sentimento uns para com os outros; em lugar de serdes orgulhosos, condescendei com o que é humilde; não sejais sábios aos vossos próprios olhos”.
12 lições do maior discipulador da história

12 lições do maior discipulador da história



INTRODUÇÃO
Vejamos o exemplo de Cristo enquanto discipulador, os passos que percorreu nesta caminho e os resultados tão valiosos deste processo rico de desenvolver vidas para o reino de Deus.

TÓPICOS

1. Sabia a importância de ir até as pessoas
Lc 9:6: “E, saindo eles, percorreram todas as aldeias, anunciando o evangelho, e fazendo curas por toda a parte.”

2. Sabia a importância da preparação
Lc 2:52: “E crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graça para com Deus e os homens.”
·         Ele mesmo se preparou durante 30 anos;
·         A qualidade da preparação determina a qualidade da do desempenho.

3. Sabia a importância do incentivo:
Jo 14:2: “Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito. Vou preparar-vos lugar.”
·         Recompense os que lhe ajudam.

4. Sabia a importância do tempo certo
Jo 2:4: “Disse-lhe Jesus: Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora.”

5. Sabia a importância de saber onde queria chegar
Jo 10:10b: “eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância.”

6. Sabia a importância de tomar decisões visando o futuro desejado, invés do presente agradável
Jo 17:15: “Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal.”
2 Co 4:17: “Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente.”

7. Sabia a importância de repetir
Jo 8:12: “Falou-lhes, pois, Jesus outra vez, dizendo: Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida.”
·         Existem 3 Evangelhos sinópticos e ainda um quarto(João);
·         Vemos várias vezes: Quem tem ouvidos ouça.

8. Sabia que sozinho nada poderia fazer
Jo 5:30: “Eu não posso de mim mesmo fazer coisa alguma. Como ouço, assim julgo; e o meu juízo é justo, porque não busco a minha vontade, mas a vontade do Pai que me enviou.”

9. Sabia que tudo começa pequeno
Zc 4:10: “Porque, quem despreza o dia das coisas pequenas?”
Is 28:10: “Porque é mandamento sobre mandamento, mandamento mais mandamento, regra sobre regra, regra mais regra, um pouco aqui, um pouco ali.”
Mt 25:21: “E o seu senhor lhe disse: Bem está, servo bom e fiel. Sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor.”

10. Sabia o significado de sentir o que os outros sentiam
Mt 14:14: “E, Jesus, saindo, viu uma grande multidão, e possuído de íntima compaixão para com ela, curou os seus enfermos.”
·         Sofria quando as pessoas sofriam.

11. Sabia delegar responsabilidade e tarefas
Mc 16:15: “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.”

12. Sabia a importância de terminar o que começou
Jo 19:30: E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.”

CONCLUSÃO

Discipular deve ser um ministério constante na vida de um verdadeiro líder. Discipular é formar vidas, é desenvolver talentos, é apoiar no amadurecimento, é auxiliar no crescimento intelectual e espiritual do discipulando. Aplique esta verdade em seu ministério, e colhe rá grande resultados. 

3 níveis de relacionamento com Deus

3 níveis de relacionamento com Deus



TEXTO: João 20:1-16

INTRODUÇÃO
Após passar anos com Jesus, os apóstolos desenvolveram um relacionamento próximo com o Mestre. Ainda assim, muitos não creram em Maria Madalena e nas mulheres que a acompanhavam quando estas anunciaram a ressurreição de Cristo. Para entendermos melhor o contexto sob o qual esses fatos ocorreram, vale analisar a passagem de Lc 24:13-21.
O v. 13 mostra que dois apóstolos estavam a caminho de Emaús (conselho). No v. 15 é revelado que estavam com dúvidas e, no v 16, que estavam enrijecidos/cegos.
Além disso, os apóstolos também estavam tristes (v. 17), descrentes (v. 19), de luto (v. 20) e sem esperança (v. 21). E no v. 18 mostra que todos sabiam.
Com base nesse contexto, analisemos os 3 níveis de relacionamento demonstrados em Jo 20:1-16.

TÓPICOS

1. Proximidade (v. 4-5)
·         O outro discípulo até correu na frente;
·         Mas de imediato não entrou;
·         Só avistou os lençóis de Jesus;
·         Lençóis são sinônimo: problemas, dificuldades, tristeza, luto, desesperança, impossibilidades.

2. Intimidade (v. 6-7)
·         Pedro logo entra no sepulcro;
·         Pedro avista os lençóis no chão;
·         Mas Pedro também percebe que o lenço da cabeça não estava com os lençóis, mas enrolado num canto (tradição afirmava que este ato afirmava que o hospede voltaria, e que tinha gostado da acolhida).

3. Revelação
Ela persistiu: Maria Madalena ficou junto ao sepulcro (qual o sepulcro da sua vida?);

- Ela não ligou para os lençóis – teve uma visão superior, viu os 2 anjos;

Ela estava no processo de revelação progressiva: Olhou para Ele, mas não o avistou (mas olhou!!!).

- Ela desejava a matéria desalmada de Jesus: Mesmo diante da comprovada morte, ela queria simplesmente o corpo:
·         Existem pessoas que só querem o poder de Jesus;
·         Existe pessoa que só querem os milagres de Jesus;
·         Existem pessoas que só querem a benção de Jesus;
·         Mas Maria Madalena queria somente o corpo inerte;

- Ela enxergou com os olhos da revelação - viu o que nenhum dos discípulos viu: o próprio Jesus
·         Você pode não ser discípulo, mas pode ver Jesus;
·         Você pode não ser pastor, mas pode ver Jesus ;
·         Você pode não ser influente, mas pode ver Jesus.

Um grande detalhe: Ela só o viu, depois que Ele a chamou pelo nome: “Maria!”. Isso fala sobre comunhão:  João 10:27: “ As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem”.

CONCLUSÃO
Não em qual nível de relacionamento você está hoje, mas saiba que Deus deseja que você passe para o nível da revelação, de uma profunda intimidade com Ele.


A pedagogia do Natal

A pedagogia do Natal


TEXTO: Lucas 2:1-20

INTRODUÇÃO
No final de ano,  trazendo em nossas bagagens, algumas tristezas, mas também alegrias. É momento de se fazer uma reflexão do ano que se passou e um novo projeto de vida para o ano que logo se inicia. No entanto, para que este processo não se minimize em algo passageiro, precisamos realizar uma breve reflexão sobre a importância do Natal. Num ato de garimpagem, buscando extrair ricas lições do texto ora escolhido, analisemos estas palavras que se referem ao nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo.

TÓPICOS
1a Verdade: Existem pessoas cheias de muitas coisas a ponto de não ter lugar para Jesus nascer (v.7) - Vivemos em um mundo materialista, onde se ama as coisas e se usa as pessoas. Consequentemente, desencadeia-se a busca de muitos bens a ponto de não terem espaço para Deus nos seus corações. Aprendemos aqui, a necessidade de termos um coração sensível para Jesus.

2a Verdade: Mesmo com a grande gama de resistência das pessoas, Jesus ainda consegue nascer nos corações abertos (v.7) - Mesmo diante das hospedarias cheias, Jesus encontrou um local humilde e simples para nascer. E hoje em dia, este fato continua acontecendo, mesmo diante de uma humanidade abarrotada do materialismo e busca de seu bel prazer, Jesus ainda encontra corações humildes, dispostos a deixá-lo nascer.

3a Verdade: É tempo de vigiar como os pastores (v.8) - E assim foram cheios da Glória de Deus, pois estavam atentos aos sinais do Filho de Deus. Muitos são os sinais que revelam as maravilhas do Menino Jesus e a sua Palavra. Aprendemos que Jesus continua de manifestando e comunicando com seu povo.

4a Verdade: Jesus nasceu à noite, quando menos esperavam - Entendemos que o tempo que vivemos é de densas trevas espirituais, no qual a sociedade vive na escuridão com seu entendimento entenebrecido. Porém, mesmo diante desta cruel realidade, Jesus ainda deseja nascer nos corações. No entanto, ele retornará como ladrão, quando menos esperam. Não deixe que as negras nuvens do pecado ceguem seus olhos de enxergar Jesus.

5a Verdade: Jesus foi agasalhado com panos, para revelar que o importante é o tesouro interior, não o exterior (v.7) - Jesus não deixou de ser Filho de Deus por vestir-se de forma simples. Assim, aprendamos a valorizar os valores espirituais em detrimentos dos terrenos, visando tudo que é santo e abominando tudo que é profano. Se você não tem o bem material que tanto deseja, isso não te faz inferior a ninguém, desde que obtenha o maior tesouro, Jesus.

6a Verdade: É tempo de ofertarmos as primícias para Jesus (Mt 2:11)
·         Ouro=bens (coloquemos nossos bens a disposição de Deus e da sua obra);
·       Incenso=oração, adoração (não nos esqueçamos da vida de oração e adoração que tanto glorifica a Deus);
·      Mirra=sacrifício de uma vida santificada (paguemos o preço que for para nos mantermos em santidade e comunhão com Deus. Deus almeja levantar vozes proféticas para este século).
Os magos deram um grande exemplo, pois trouxeram Ouro, Incenso e Mirra.
           
7a Verdade: É tempo de louvar a Deus (v.13 e v.20)
·         - Os magos do oriente vieram adorar (Mt 2:2,11);
·        -  Os anjos os louvaram (Lc 2:10-11);
·         - Os pastores o louvaram (Lc 2:20);
·         - Simeão agradeceu a Deus por ter visto o Salvador (Lc 2:29-30);
·         - Ana deu graças a Deus pelo menino (Lc 2:38).

8a Verdade: Jesus nasceu em Belém (v15)
·         - Ele nasceu em Belém, porque Belém significa “casa do pão”;
·         - Ele nasceu em Belém, porque é o Pão da Vida;
·         - Ele nasceu em Belém, porque veio para saciar o faminto;
·         - Ele nasceu em Belém, para nos servir a mesa do banquete.
- João 6:33: “Porque o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo.”
- João 6:35:  “E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim nunca terá sede.”

9a Verdade: O nascimento de Jesus é um divisor de águas
·         Indiscutivelmente, quando atentamos para o calendário, percebemos este divisor de águas, o antes e depois de Jesus. Percebemos também que, na vida de quem Jesus nasce, há uma transformação plena e definitiva. E percebemos que ninguém pode negar a importância do Cristo na História.

Assim, Jesus nos ensina que:
1.    Seu nascimento é uma lição de humildade;
2.    Sua vida é uma lição de amor altruísta;
3.    Sua morte é uma lição de sacrifício abnegado;
4.    Sua história é uma lição de modelo no tempo e na eternidade.

Além disso, Jesus numa manjedoura (estábulo) nos faz reconhecer (v.16):
1.    Que sem Deus a vida cheira mal;
2.    Que mesmo nascendo entre animais, não se tornou semelhante a eles;
3.    Que Jesus nos ama, a ponto de passar o que passou;
4.    Que nós só achamos significado para nossas vidas em Deus. Seres insignificantes se tornam significativos;
5.    Que saber essas coisas não traz nenhum benefício para mim, a não ser que Jesus possa nascer e renascer em meu coração todos os dias da minha vida;
6.    Que cabe a mim e a você fazer dos locais que nós nascemos ou vivemos o melhor possível, mesmo que este ambiente pareça nefasto;
7.    Que Ele desceu a terra para que pudéssemos subir ao céu; que Ele nasceu na manjedoura para nos fazer herdar a eternidade; que Ele se fez homem para que pudéssemos habitar com o Pai; que se despiu da glória, para que pudéssemos recebê-la; que habitou entre o mau cheiro para que tivéssemos o aroma suave de Cristo e para que soubéssemos que independente do ambiente e das condições que estamos hoje (assim como ele esteve um dia),  temos uma promessa para toda a eternidade de vida e paz.


CONCLUSÃO

Não se esqueça do verdadeiro significado do Natal. Não em perca entre as luzes, músicas e comidas. Permita que Jesus, o verdadeira sentido do natal, tenha condições de renascer em seu coração, a cada dia. 

Ivan Tadeu Panicio Junior
A frustração pode levar a solução

A frustração pode levar a solução



TEXTO: 1 Sm 29:1-11 e 30:1-17

INTRODUÇÃO
Em 1 Sm 29 e 30 vemos o Rei Davi sofrendo com algo natural na existência humana: a frustração. Nesse trecho da Bíblia é possível perceber que Davi estava muito angustiado. ele havia sido rejeitado por quem muito apoiou. Mesmo sendo elogiado, foi rejeitado.  Chegando em casa, viu tudo destruído pelos amalequitas. Teve todas as suas coisas saqueadas e sua família levada cativa. Sofreu ameaça de apedrejamento, servindo de bode expiratório. Com isso em mente, podemos extrair algumas lições práticas para nossa vida a respeito da frustração.

TÓPICOS
1. Todos nós passamos por frustrações -  nenhum ser humana está livre de passar por frustrações. Todos nós estamos sujeitos a dias difíceis, momento de perdas, perseguições, angustias e tristezas profundas. 

2. Haverá momentos que não entenderemos o porquê das coisas - os textos que seguem nos revelam verdades importantes: 
Dt 29:29: “As coisas encobertas pertencem ao SENHOR nosso Deus, porém as reveladas nos pertencem a nós e a nossos filhos para sempre, para que cumpramos todas as palavras desta lei”.
Jo 13:7: “Respondeu Jesus, e disse-lhe: O que eu faço não o sabes tu agora, mas tu o saberás depois”.

3. As vezes, Deus usa até os que nos rejeitam para nos abençoar -      Deus permitiu que tivessem lhe mandado embora para que chegasse e tomasse conhecimento da realidade da sua casa. Se tivesse lutado, teria posto tudo a perder.

4. Temos que crer que Deus está no controle de tudo - muitas vezes, somos tentados a pensar que Deus nos abandonou, que estamos sozinhos nas batalhas da vida, mas Deus nunca nos deixa só. Ele sempre está conosco. 

5. E nestas horas precisamos nos animar em Deus somente - Davi se animou em Deus. Deus lhe fez recobrar o ânimo, as forças, o vigor para continuar. E nós devemos buscar em Deus este socorro em dias difíceis. 

6. Se o que é nosso se partiu, Deus pode reaver  - O nosso Deus tem poder para fazer muitos milagres em nossas vidas. Tudo que foi perdido pode ser resgatado, se Deus assim desejar. Confie no Senhor, espera Nele, e Ele fará o melhor para sua vida. 

CONCLUSÃO

Quando passarmos por momentos difíceis, precisa manter a calma e a confiança no Senhor. nem tudo está perdido, já que temos um Deus que opera milagres. Basca buscarmos ao Senhor, e Ele fará que seu planos se cumpram em nossas vidas.

Ivan Tadeu Panicio Junionr


O sofrimento não é tão mal assim.

O sofrimento não é tão mal assim.



Jó 5:18Porque ele faz a chaga, e ele mesmo a liga; ele fere, e as suas mãos curam’.

Temos sido influenciados pela filosofia Hollywoodiana, onde filmes, em suas diversas cenas germinam a semente da fantasia nas mentes das pessoas, fazendo que de uma forma ainda que inconsciente, fujam da mais pura realidade.
Vejo que expressões que são intrínsecas ao ser humano são rejeitadas, devido à influência recebida. Nós normalmente fugimos da dor, do choro, das lágrimas. Todavia, são realidades inevitáveis na carreira humana, pois viver é estar disposto a se alegrar e chorar, a ganhar e perder, ter momentos de felicidade como de tristeza( Eclesiastes 3). Mas quando vemos os filmes, projetamos uma vida de repleta realização sem muito esforço e dificuldade, me pergunto: Como nossos jovens tem reagido a esta influência? Será que não estamos sendo enganados pela ilusão do fácil, prático e imediato que só trará decepções para uma geração que busca o irreal e foge do que vê e sente.
         Quando nos deparamos com nossas limitações e incapacidades, somos obrigados a reconhecer que não somos super-homens, nem mulheres maravilhas, somos obrigados a descer do pedestal, aceitar nossa humanidade, e voltarmos ao estado original preestabelecido por Deus, a sermos barros.
         Mas como Deus é perfeito, Ele deixou algo que facilmente nos faz lembrar de nossa situação frágil e dependente, não que se agrade desta fórmula, mas é o meio eficaz de desmascarar nosso ego inflado.
         O sofrimento é basicamente uma forma ou oportunidade que nós seres humanos temos para nos consertar, e voltarmos à posição desejada por Deus. Nossa sociedade impaciente e enferma, não pára para refletir sobre sua conduta diária, e quando estamos em meio a algum sofrimento ou até mesmo algo mais grave que nos leve a uma enfermaria, recebemos o nome de “PACIENTES”, onde voluntariamente ou não somos forçados a pacientar-se e esperar, e enquanto esperarmos refletimos e normalmente olhamos para cima, lembramos de Deus.
         Não desejo fazer apologia de uma teologia do sofrimento, mas tenho pesquisado e experimentado que esta linha de pensamento além de ser real e puramente verdadeira, sabe-se que é na contemplação da alma que encontramos Deus, conforme já dizia alguns teólogos.

C. S. Lewis “Nos nossos sofrimentos Deus usa megafones”.

A W Tozer “Dificilmente Deus usará um homem que não o tenha ferido profundamente”.

A palavra de Deus diz em:  Jó 5:18 Porque ele faz a chaga, e ele mesmo a liga; ele fere, e as suas mãos curam’.


         Entendo com isto, que os momentos do silêncio do sofrimento, da angustia, das interperes da carreira cristã, podem ser usadas para nos tornar mais aguçados a ouvir a voz de Deus, que fala de forma diferenciada e objetiva aos nossos corações, que satisfaz nossas necessidades humanas, que nos consola, nos aconchega nos seus braços de Amor.

         Estimulo você a não desistir se estiver passando por tempestades na sua vida, pois a maré se aquietará, e você saberá o para que passou por tudo isso.
Pedagogia da Resiliência

Pedagogia da Resiliência



Tive o privilegio de estar em um seminário na Escola Superior de Teologia de São Leopoldo-RS, e este tema Resiliência me chamou atenção. Mas, antes de falarmos sobre a pedagogia da resiliência, acredito ser necessário conceituar a palavra, já que trata-se de um vocabulário novo em nosso país.

Vejamos: "Resiliência é freqüentemente referida por processos que explicam a ‘superação’ de crises e adversidades em indivíduos, grupos e organizações" (Yunes & Szymanski, 2001, Tavares, 2001). Ainda, "Por tratar-se de um conceito relativamente novo no campo da Psicologia, a resiliência vem sendo bastante discutida do ponto de vista teórico e metodológico pela comunidade científica. Alguns   estudiosos reconhecem a resiliência como um fenômeno comum e presente no desenvolvimento de qualquer ser humano" (Masten, 2001). Outro conceito, "Resiliência é a propriedade pela qual a energia armazenada em um corpo deformado e devolvida quando cessa a tensão causadora duma deformação elástica” (Dicionário Aurélio-Ferreira, 1999).

Percebemos que os autores, ainda estão em busca de uma definição que seja um denominador comum, mas isso ainda não foi possível, e pelo que parece a palavra ainda é uma "ilustre desconhecida". Porém, o que sabemos com certeza, é que se trata de um conceito que quer transmitir: capacidade de superação, perseverança, resistência, permanência, flexibilidade, tanto para coisas como para pessoas, como é usada nos países da Europa, nos Estados Unidos e no Canadá.

Trocando em miúdos, seria a capacidade de passar por uma situação difícil, pressão, estresse e assim mesmo, retornar ao estado normal, habitual, superando a situação de forma sadia, sem maiores conseqüências.

Mas para nós Cristãos, o que a Resiliência pode ensinar? – Ela pode ensinar o que o apostolo Paulo disse em Filipenses 4.13: "Posso todas as coisas naquele que me fortalece". Ele não quis dizer que passaria só por momento de saúde, prosperidade e abundância como apregoa a Teologia da Prosperidade e certas Igrejas Neo-pentecostais. Mas que, poderia passar por todos os tipos de adversidades como fome, frio, açoites, prisões, privações, etc, e superaria tudo isso, pelo poder daquele(Deus) que o fortalecia, pelo poder de Deus que o tornava resiliênte.

Aprendemos que a vontade de Deus é que sejamos resilientes, que sejamos corajosos, perseverantes, constantes e jamais desistamos, já que Deus não se agrada daqueles que retrocedem (Hb 10.38). Mas para tanto, nos concede seu poder para que vençamos.


Se hoje, você estiver pensando em parar, em desistir e pensa que não vai conseguir, tome esta frase como seu lema: Deus te faz resiliênte. Deus desenvolverá resiliência em você. E depois, só restará testemunhar do poder de Deus em sua vida e das bênçãos conquistadas.